Alimentos e possíveis alergias

Alimentos e possíveis alergias

As alergias alimentares em bebés, a aparecerem, podem afetar a ingestão de nutrientes por parte do bebé1. Saiba mais sobre os sinais que deve procurar, quais os alimentos com maior probabilidade de causar reações alérgicas, como e quando introduzir alimentos potencialmente alérgenos de forma segura, e porque é que a amamentação pode ajudar a reduzir o risco de o bebé vir a desenvolver alergias alimentares.

Em que consistem as alergias alimentares?

As alergias alimentares implicam uma reação exagerada por parte do sistema imunitário. Estas podem ser imediatas, desencadeando sinais evidentes logo a seguir à ingestão do alimento, ou poderão surgir mais tarde, provocando sinais recorrentes ou a longo-prazo1.

 

As alergias alimentares são mais comuns em bebés do que em adultos2. Mas, para que fique tranquila, saiba que muitas crianças conseguem superar as alergias com o crescimento.

 

Quando introduzir alimentos sólidos, não irá ter dúvidas de quais são os alimentos de que o bebé gosta e de quais é que não gosta. No entanto, uma reação mais importante a procurar é qualquer sinal de alergia alimentar. 

Alimentos que provocam alergias alimentares

Os seguintes alimentos têm maior probabilidade de vir a provocar reações alérgicas do que outros:

  • Alimentos à base de trigo e outros alimentos que contenham glúten
  • Leite
  • Ovos
  • Peixes e mariscos
  • Amendoins
  • Frutos secos
  • Sementes

Introduzir novos alimentos de forma segura

Quando der início ao processo de desmame, o melhor é começar com alimentos que tenham pouca probabilidade de causarem alergias alimentares, tais como o arroz, a maçã, a pera e a quinoa. Depois disso poderá tentar introduzir mais alimentos potencialmente alérgenos individualmente, de preferência ainda durante a fase de amamentação3.

 

A introdução gradual de alimentos potencialmente problemáticos permite controlar a reação do bebé e detetar eventuais problemas. Estes alimentos nunca devem ser introduzidos antes dos 6 meses de vida. Se estiver a amamentar, continue a amamentação durante todo o processo de desmame para ajudar a reduzir os riscos de alergia.

 

Sempre que introduzir um novo alimento, deixe o bebé experimentá-lo no início do dia, para no caso de ocorrer algum problema poder ajudá-lo mais facilmente. Comece com porções pequenas e espere alguns dias até introduzir um novo alimento de qualquer tipo. Se o bebé tiver alguma reação, poderá conseguir identificar de forma mais simples o alimento que desencadeou a reação. Ligue para o médico se suspeitar de alguma alergia alimentar: ele irá conseguir fazer o diagnóstico ao seu filho e prestar-lhe apoio e aconselhamento sobre como controlar a condição.

 

Histórico de alergias na família

Uma história familiar de alergias alimentares é o maior fator de risco para o bebé vir a desenvolver alguma reação alérgica. Mais de 70% dos bebés cujos pais (um ou ambos) têm alguma alergia poderão herdar o mesmo problema. Se não existirem alergias alimentares na família, o risco dos bebés desenvolverem uma nova alergia é muito menor4.

 

Se tiver uma história de alergias na família e estiver preocupada com a possibilidade de o seu bebé vir a desenvolver uma alergia alimentar, tenha especial atenção ao bem-estar e comportamento do bebé depois de introduzir um alimento potencialmente alérgeno. 

O que fazer se suspeitar que o seu filho tem alguma alergia alimentar?

Dependendo do alimento que desencadear a alergia da criança, a sua privação poderá colocá-la em risco de ter falta de nutrientes essenciais. O ideal é procurar a ajuda do pediatra ou médico assistente para assegurar que o bebé, apesar da alergia alimentar, recebe todos os nutrientes necessários para o seu crescimento e desenvolvimento saudáveis1.

O papel do leite materno na redução do risco da ocorrência de alergias alimentares

Os especialistas concordam que a amamentação ajuda a proteger as crianças contra o desenvolvimento de alergias alimentares. Isso acontece através do suporte do seu sistema imunitário pouco desenvolvido, uma vez que o leite materno é rico em anticorpos que asseguram a proteção do bebé nos primeiros meses de vida.

A amamentação ou alimentação com leite materno através do biberão, pelo menos durante os primeiros 6 meses de vida do bebé, poderá reduzir o risco de desenvolver alergias alimentares.

Artigos relacionados

 

 

 

1. Allergy UK. Food allergy in babies and children [Online]. 2013. Disponível em: www.allergyuk.org/childhood-food-allergy/food-allergy-in-babies-and-children [Acedido em abril de 2014]

2. National Institute for Health and Clinical Excellence [Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica do Reino Unido] (NICE). Food allergy in children and young people [Online]. 2011. Disponível em:http://www.nice.org.uk/guidance/cg116/evidence/full-guideline-136470061 [Acedido em janeiro de 2016]

3. Allergy UK. Weaning your baby onto solids [Online]. 2014. Disponível em:www.allergyuk.org/advice-for-parents-with-a-new-baby/weaning-your-baby-on-to-solids [Acedido em julho de 2014]

4. Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA. Ficha técnica: Preventing allergies in babies and small children [Online]. 2012. Disponível em:www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMH0004990/ [Acedido em julho de 2014]